09/12/2010

Anorgasmia ou Ausência de Orgasmo

   Anorgasmia pode ser definida como uma inibição recorrente ou persistente do orgasmo feminino, manifestada por sua ausência ou retardo após uma fase de excitação sexual adequada em termos de foco, intensidade e duração. Não se considera, porém, essa inibição como anorgasmia se a mulher é capaz de atingir o orgasmo através de manipulação do clitóris. É a disfunção sexual mais comum junto com a falta de desejo. Pode ter fatores biológicos correlacionados, já que a capacidade de ter orgasmos da mulher geralmente aumenta ao longo de sua vida, assim como fatores psicológicos, como apresentar sentimentos de culpa em relação atividade sexual, deficiência feminina em assumir o papel erótico, medo de engravidar, traumas relacionados ao sexo, como por ter sofrido algum abuso sexual, ter tido relações dolorosas. Ocorrer anorgasmia entre os homens entretanto é muito menos frequente.

Tipos de anorgasmia:
   Anorgasmia primária: quando a mulher nunca experimentou a sensação de orgasmo através do coito e nem mesmo na masturbação ou em sonhos.
   Anorgasmia secundária: quando a mulher já experimentou o orgasmo com certa normalidade em período anterior de sua vida e, por motivos vários, deixaram de te-lo de forma sistemática.
   Anorgasmia total ou absoluta: quando a mulher não sente orgasmo, independentemente do tipo ou da qualidade do estímulo.
   Anorgasmia situacional: quando a anorgasmia ocorre em determinada situação ou com determinado parceiro ou parceira.

Anorgasmia Masculina:
   Anedonia sexual - Tipo de disfunção sexual na qual as respostas sexuais ocorrem normalmente e não se chega ao orgasmo, pois existe uma falta de prazer satisfatório (falta de desfrutesexual).
   Anorgasmia Ejaculatória - Quanto o homem atinge o orgasmo incluindo a ejaculacao, porem nao sente prazer equivalente a um orgasmo genuino.

 Causas:
   As causas da anorgasmia feminina são várias e podem ser orgânicas e psicossociais.
   Entre as orgânica então algumas alterações ou lesões neurológicas, entretanto, como a esclerose múltipla, mielites, lesões cirúrgicas ou traumáticas da medula ou do sistema nervoso periférico podem promover a inibição do orgasmo. O uso excessivo do álcool ou drogas psicoativas, as neuropatias diabéticas e as dores nas relações sexuais são outras causas da inibição do reflexo orgásmico.
   As causas psicossociais são as principais causas das anorgasmias femininas. Dentro desse grupo, as de maior impacto sobre a sexualidade são as falsas crendices, a falta de informação, os tabus, as normas sociais sexofóbicas, a educação sexual repressora, a falta ou a pouca comunicação entre os parceiros e a falta de habilidade sexual do parceiro, fatores estes que promovem o medo e a angustia que são pontos-chave para o desenvolvimento da anorgasmia. Como conseqüências para a mulher, a anogasmia pode trazer diminuição da auto-estima, inibição do desejo sexual e fuga do relacionamento sexual. O relacionamento pode ser afetado, pois podem surgir dúvidas sobre o futuro e a diminuição da qualidade do vínculo entre os parceiros.


Atenção: Procure orientação profissional. Todos nós temos direito à felicidade sexual!

                                Carolina Mendonça (Psicóloga e Sexóloga)