02/01/2011

GLOSSÁRIO DE SEXUALIDADE




Abstinência Sexual – significa ficar temporária ou permanentemente sem atividade sexual.
A abstinência permanente (castidade ou celibato) geralmente é praticada por motivos religiosos, sendo exigida dos padres e freiras católicos, por exemplo.
A abstinência temporária é praticada com fins contraceptivos, neste caso, o casal se abstém de manter relações sexuais durante os períodos férteis do ciclo menstrual feminino. Outro exemplo é o de algumas mulheres que não gostam de manter relações sexuais durante o período menstrual, no final da gravidez e em certas celebrações religiosas. Nos 30 dias depois do parto o casal também se abstém das relações sexuais, até que a mulher se restabeleça.

Abuso Sexual – são praticas sexuais geralmente impostas e forçadas a crianças, adolescentes e mulheres, através de violência física e ameaças, ou em alguns casos através da indução e convencimento, desta forma o abuso sexual pode ter ou não contato físico.
O abusador pode tocar a vítima sob forma de carícias, tanto como um beijo, ou alisadas, seja nos seios ou em outras partes do corpo (inclusive os órgãos sexuais), às vezes chegando a manter relações sexuais: tanto vaginal quanto anal.
No abuso sexual sem contato físico, alguns abusadores se limitam a olhar suas vítimas trocarem de roupa, tomarem banho, etc.
Há o tipo de abusador que expõe os órgãos sexuais para suas vítimas, outros vêem fitas e revistas pornográficas com suas vítimas, alegando que precisam "ensiná-las”, despertando sua sexualidade de uma forma precoce e deturpada. Às vezes, nestes casos, o abusador chega a manter contatos mais íntimos, sob a desculpa que "está apenas ensinando", à vítima.
Acontece ainda com freqüência, que o abusador "paga" à criança em dinheiro ou em doces, dá presentinhos, para que ela permita que ele a toque intimamente, abuse de seu corpo de diversas formas.

Acessórios sexuais – todo tipo de objeto, recurso ou artifício utilizado para obtenção do prazer sexual, são implementos da relação sexual. Hoje os acessórios e recursos sexuais são múltiplos e extremamente variados, estando sempre vinculados à fantasia e à criatividade. Podemos destacar cinco categorias de estímulos e recursos sexuais: os visuais (pinturas, fotografias, filmes, CD-ROM eróticos, etc.), os táteis (tecidos especiais, óleos de massagem e/ou lubrificantes, vibradores, objetos que provoquem frio, calor, dor, etc.), os olfativos (essências aromáticas, perfumes, cheiros corporais, etc.), os gustativos (temperos afrodisíacos e estimulantes, bebidas, etc.) e finalmente os auditivos (músicas, sons, ruídos eróticos, etc.).

Afrodisíaco – substâncias que aumentam e estimulam o desejo e a atividade sexual, ou uma combinação de ingredientes usados para melhorar o desempenho sexual de homens e mulheres. Existem desde alimentos, perfumes, banhos afrodisíacos, etc.

Aids – Acquired Immune Defifiency Syndrome (Síndrome da Imuno Deficiência Adquirida). Essa síndrome ataca todas as pessoas expostas aos mecanismos de transmissão, sejam elas adultas ou crianças. É a mais grave das enfermidades sexualmente transmissíveis e ainda não tem cura. É transmitida pelo vírus HIV (sigla em inglês que identifica o vírus da imunodeficiência humana).

Anorgasmia – É uma disfunção sexual, relacionada a ausência de orgasmo nas mulheres, ou a dificuldade de alcançá-lo, apesar de ter interesse sexual e todas as respostas satisfatórias para realizar o ato sexual. Pode ser primária, secundária, absoluta ou situacional.
Na primária, a pessoa nunca teve um orgasmo, nem por masturbação.
Na secundária, a pessoa alcançava o orgasmo, mas deixou de conseguir.
Na situacional, a pessoa consegue atingir o orgasmo em determinadas situações.
Na absoluta, a pessoa não consegue atingir o orgasmo em nenhuma circunstância.
Os motivos vão desde repressões religiosas e morais, experiências sexuais traumáticas até mesmo a dinâmica do casal. A terapia sexual é a melhor forma de tratamento para a anorgasmia.

Anticoncepção – são recursos ou medicamentos usados para evitar a fecundação, evita-se a gravidez impedindo que o espermatozóide fecunde o óvulo. Daí o nome: métodos anticoncepcionais.

Assédio Sexual - aproximação sexual não-benvinda, uma solicitação de favores sexuais ou qualquer conduta física ou verbal de natureza sexual. Hoje existem leis que protegem as pessoas dos assédios sexuais.
Existem dois tipos de molestamento: quando existe uma pressão sobre a vítima para prestar algum favor sexual ou se submeter sexualmente por estar hierarquicamente abaixo ao molestador e quando há uma pressão para a vítima sentir-se em um ambiente desagradável por ser de seu sexo específico. Por exemplo, uma mulher ser hostilizada ou não-benvinda por ser uma mulher em um determinado ambiente de trabalho, fazendo com que se sinta tão mal a ponto de ter de abandonar o emprego ou permanecer nele com sofrimento.

Atividade Sexual – termo que inclui práticas que tem como objetivo provocar excitação sexual, que vão desde carícias até relações sexuais.

Ato Sexual – expressão usada para relacionamento sexual, coito, transa.

Atração Sexual – interesse sexual despertado através de maneiras, gestos e formas físicas provocantes e excitantes como: seios fartos, pernas e nádegas provocantes, lábios carnudos, corpo atlético, ou simplesmente pela fantasia em relação a performance sexual de outra pessoa.

Auto – erotismo – atividades solitárias que provocam excitação sexual, como por exemplo: manipulação dos órgãos sexuais e zonas erógenas do corpo, masturbação, fantasias, sonhos eróticos com orgasmos noturnos.

Beijo de língua – beijo no qual a língua acaricia a língua e o interior da boca do parceiro. Não existe um modelo, mas geralmente os passos são: aproximação dos rostos, encaixe dos lábios com a boca ligeiramente aberta, encontro das línguas, movimentos com a língua explorando e acariciando a língua e interior da boca do parceiro. Não é preciso prender a respiração e com as mãos pode-se acariciar, ao mesmo tempo, o rosto e corpo do parceiro. O beijo de língua é um estimulante sexual.

Beijo genital – beijar e estimular com a língua os órgãos genitais para excitação e prazer sexual.

Bissexualidade – atração sexual por ambos os sexos. Bissexuais obtêm prazer mantendo relações sexuais tanto com homens quanto com mulheres.

Camisa de Vênus - t ambém chamada de camisinha, condon ou preservativo masculino, é uma espécie de balão de látex que se adapta ao pênis. Tem a extremidade arredondada e um pequeno reservatório para que fique armazenado o sêmen após a ejaculação, impedindo que os espermatozóides penetrem na vagina. Atualmente, existem muitas variações de camisinha: lubrificadas, coloridas, com relevos, com espermicidas, etc.
O uso da camisinha é um método contraceptivo bastante confiável, além de proteger contra as doenças sexualmente transmissíveis e aids.

Camisinha feminina – o preservativo feminino surgiu como uma alternativa de prevenção às mulheres. É uma camisa de Vênus de poliuretano que é inserida na vagina antes do intercurso sexual, que quando usada corretamente, é eficaz na prevenção as DST/Aids e a gravidez não desejada. Possui um anel interno que deve ser apertado nas bordas e colocado na entrada da vagina, para que possa ser empurrada com os dedos até um pouco acima do osso púbico, e um anel externo, que fica do lado de fora da vagina, cobrindo a vulva.
Pode ser colocada até 8 horas antes da relação sexual e deve ser retirada com cuidado logo após o ato sexual. Deve ser utilizada uma única vez e facilita sua utilização o fato da mulher conhecer e ter como hábito tocar seu próprio corpo.

Características sexuais – atributos físicos externos associados ao desenvolvimento da sexualidade feminina e masculina. As primárias são aquelas relacionadas diretamente com a reprodução. Nas meninas, dizem respeito ao desenvolvimento dos ovários, do útero e da vagina; nos meninos, ao desenvolvimento dos testículos, próstata e produção de esperma. As secundárias relacionam-se não apenas aos órgãos sexuais externos, referem-se também ao desenvolvimento dos seios, pêlos faciais, pêlos pubianos, modificação da voz, tamanho dos seios, etc.

Carícias – fazer carinhos estimulando ou não as zonas erógenas. Dependendo da intensidade, as carícias podem levar ao orgasmo.

Clímax – grau máximo da excitação sexual durante um orgasmo, que se caracteriza por uma sensação de excitação crescente, geralmente acompanhado de contrações rítmicas percebidas principalmente nos órgãos genitais e adjacências e de uma sensação de intenso prazer que é seguida de alívio da tensão e relaxamento.

Clitóris – é considerado um órgão homólogo ao pênis, pois é a parte erétil da genitália externa feminina. É um órgão muito sensível às sensações de excitação sexual, ao ser estimulado, pode produzir sensações de prazer e orgasmo. Localiza-se no centro da parte superior da vulva, sendo formado por dois corpos cavernosos eréteis, que constituem uma estrutura de rica inervação e vascularização.

Coito – ato sexual, geralmente com penetração.

Coito interrompido – retirada do pênis da vagina antes da ejaculação. É uma pratica não muito simples, e considerada um dos métodos contraceptivos de menor eficácia, pois exige muito controle no momento da retirada do pênis.

Comportamento sexual – é a forma como os indivíduos exercem sua sexualidade, se desenvolvem a partir de experiências de relacionamentos familiares, sociais e amorosos, bem como de fatores educacionais, socioculturais, psicológicos e biológicos.

Concepção – união de óvulos(s) e espermatozóide, e conseqüente desenvolvimento.

Contracepção – uso de recursos, procedimentos e medicamentos contraceptivos para evitar o encontro do espermatozóide com o óvulo e conseqüentemente a gravidez.

Desejo sexual – necessidade de atividade e prazer sexual. O desejo sexual é como um apetite e se caracteriza pelo impulso sexual. Uma experiência que impulsiona qualquer pessoa a buscar ou a tornar-se receptiva ao encontro sexual.

Disfunção sexual – é uma queixa ou insatisfação relacionada a uma das fases do ciclo sexual – desejo, excitação e orgasmo, ou seja, ela ocorre quando algum componente da atividade sexual não funciona bem. Podemos citar como exemplos a diminuição do desejo, falhas na ereção e excitação, ejaculação precoce, prematura ou retardada, anorgasmia, vaginismo e dispareunia. As disfunções sexuais podem ser subdivididas em: primárias – que sempre existiram na vivência sexual da pessoa e secundárias – que acontecem quando as pessoas já tiveram experiências satisfatórias e deixam de tê-las.
As disfunções sexuais podem ter origem em problemas orgânicos, psicológicos ou em ambos, exigindo na maioria das vezes, tratamentos terapêuticos, médicos ou psicológicos. Em qualquer destes casos, o importante é procurar um profissional especializado na área.

Disfunção erétil – falha na ereção, ou melhor, no mecanismo do reflexo vascular, que deveria encher o pênis de sangue, propiciando a ereção. É popularmente conhecida como impotência. Homens que apresentam essa disfunção tem desejo de fazer sexo, sentem-se excitados, mas o pênis não apresenta ereção suficiente para uma relação sexual com penetração.

Dispareunia – sensação de dor durante a relação sexual. Nas mulheres com dispareunia, quando há tentativa de penetração, o intróito vaginal se fecha tanto, de maneira tão apertada, que o coito torna-se muito difícil e dolorido. Há muitas variedades de dispareunia, variando da irritação vaginal pós-coito até forte dor imobilizadora com os movimentos do pênis.

Doenças Sexualmente Transmissíveis – DSTs – sigla que designa doenças sexualmente transmissíveis, ou seja, as doenças infecciosas e contagiosas causadas por microorganismos (bactérias, vírus ou parasitas invisíveis a olho nu) transmitidos, principalmente, pelas secreções do contato sexual anal, vaginal ou oral. Os sintomas estão geralmente associados a corrimentos, coceiras, feridas, verrugas, manchas, dor e ardência nos órgãos sexuais, espontaneamente, no momento da relação sexual ou ao urinar, evacuar ou ejacular.
A melhor forma de se proteger das DSTs é conhecendo-as, informando-se sempre e adotando práticas protetoras como o uso da camisinha em todas as relações sexuais.
Quase todas as DSTs podem ser curadas, se tratadas a tempo e corretamente. No caso da Aids, hepatite B e herpes genital, que são causadas por vírus, pode-se apenas controlá-las com medicação adequada.
Destacam-se entre as DSTs: sífilis, herpes genital, gonorréia, hepatite B, condiloma acuminado, cancro mole, linfogranulomatose inguinal, granuloma venéreo e Aids.

Ejaculação – é a fase do orgasmo masculino na qual o homem expele o sêmen pelo canal da uretra, sua intensidade está relacionada a alguns fatores: o grau de excitação sexual alcançado pelo homem, sua idade e seu estado de saúde. A ejaculação sai pela uretra, que é o mesmo canal por onde passa a urina, porém, a abertura entre a uretra e a bexiga fecha-se automaticamente durante a ejaculação, evitando que o homem urine e ejacule ao mesmo tempo.

Ejaculação precoce ou prematura – podemos caracterizá-la como uma falta de controle no momento da ejaculação, ou seja, o homem em estado de excitação atinge o orgasmo e ejacula precocemente, segundos após penetrar na vagina, ou sem ao menos ter penetrado, em alguns casos a ejaculação acontece nos primeiros minutos de carícias que antecedem o ato sexual, ou simplesmente ao ver a parceira se despindo.

Ereção – enrijecimento e conseqüentemente, elevação do pênis no momento de excitação. Acontece de modo análogo, porém em menor intensidade, com o clitóris.

Erógena, zona – áreas do corpo mais sensíveis ao estímulo sexual, por terem maior quantidade de terminações nervosas e por isso serem mais sensíveis ao toque (boca, mamilos, órgãos genitais, ânus, etc). Essas áreas quando estimuladas provocam sensações eróticas e extremamente prazerosas, podendo levar ao orgasmo.

Esperma – termo utilizado para referência ao sêmen masculino.

Espermatozóide – gameta masculino que fecunda o óvulo feminino. O espermatozóide vive apenas alguns minutos em contato com o meio ambiente, porém, no interior do corpo feminino pode viver de 24 a 72 horas.

Espermicida – substâncias e produtos químicos que impedem a gravidez matando ou imobilizando os espermatozóides. Geralmente tem forma de geléias, cremes, espumas, tabletes e óvulos.

Excitação sexual – é o resultado da estimulação sexual, que pode ser física, psíquica ou uma combinação das duas. Os sinais de excitação variam de acordo com o sexo. No sexo feminino o mais evidente sinal de excitação sexual é a lubrificação vaginal, nos homens caracteriza-se pela ereção peniana.

Fantasias sexuais – imagens mentais que podem tomar a forma de eventos imaginários, devaneios ou sonhos, nelas os desejos sexuais e impulsos inconscientes tomam forma e são expressos de maneira simbólica. A fantasia pode ficar só na imaginação ou se concretizar, deixando neste momento de ser fantasia.

Fetiche – objetos ou partes do corpo, atitudes e práticas capazes de provocar excitação e prazer sexual (fetichismo).

Genitália – órgãos reprodutores, genitais e sexuais do homem e da mulher e estruturas relacionadas. A genitália feminina é composta externamente pelo períneo, monte de Vênus, grandes e pequenos lábios, clitóris, bulbos vestibulares, vestíbulo da vulva, glândulas uretrais, hímen e glândulas de Bartholim. Internamente compreende a vagina, útero, tubas uterinas, ovários e mamas.
No homem, externamente se compõe do pênis e do escroto ou bolsa testicular e internamente de testículos, vias espermáticas, epidídimo, canais deferentes, uretra, vesículas seminais, próstata e glândula de Cowper.

HIV – Human Immunodeficiency Vírus (Vírus da Imunodeficiência Humana) denominação do vírus da Aids. O HIV já foi isolado em diferentes concentrações de materiais ou secreções orgânicas, destacando-se o sangue, o esperma, as secreções vaginais e o leite materno.

Homossexual – o termo caracteriza pessoas que tem desejo sexual por indivíduos do mesmo sexo, está relacionado a afinidades, atrações, comportamentos sexuais entre indivíduos pertencentes ao mesmo sexo. Oriundo do grego - homos = o mesmo, e do latim – sexus = sexo. O padrão de relacionamento sexual oriundo de pessoas do mesmo sexo denomina-se homossexualidade.

Identidade sexual – refere-se a orientação sexual de uma pessoa.

Kama Sutra – manual hindu do séc. IV, sobre amor e sexo. Nele estão descritas uma variedade de posições e formas de se fazer sexo e obter prazer.

Lubrificante – substancias líquidas e cremosas que são passadas no ânus, pênis ou vulva antes da relação sexual para facilitar a penetração.

Masoquismo – prática na qual o indivíduo obtém prazer, inclusive sexual, através da dor. Em alguns casos o orgasmo é alcançado através de práticas dolorosas.

Masturbação – prática auto-erótica caracterizada pela excitação sexual, na maioria das vezes, através da manipulação dos órgãos sexuais, especialmente o pênis ou clitóris. Atualmente, sabe-se que a masturbação é uma forma natural de conhecer o corpo e obter prazer.

Menarca – primeira menstruação que ocorre na mulher.

Menstruação – processo pelo qual o organismo feminino expele o sangue e os tecidos do revestimento uterino que se formou como preparação para a nidação de um possível óvulo fecundado. É um fenômeno cíclico que dura alguns dias – geralmente de três a sete – sendo um fator significativo para o autocontrole da saúde geral e reprodutiva da mulher.

Métodos contraceptivos – métodos utilizados para evitar a gravidez não desejada. Destacam-se: os métodos comportamentais ou de abstinência (tabelinhas, método de Billings, temperatura basal e sintotérmico; os métodos de barreira (camisinha, diafragma e espermicidas); os métodos hormonais (pílulas anticoncepcionais, injeções hormonais, implantes subcutâneos, anéis vaginais, adesivos transdérmicos) e os métodos intra-uterinos (DIU).

Mitos sexuais – crendices relacionadas a sexualidade, advindas de variadas épocas e propostas por várias áreas como a religião e a ciência, como também concebidas popularmente através de rumores, superstições, fanatismo ou educação sexual falha.

 Orgasmo – é um momento específico em que as sensações de excitação sexual chegam ao clímax e toda tensão acumulada é descarregada. Os movimentos, toques, penetrações, carícias dos genitais se intensificam de modo progressivo, gerando mais excitação e prazer até que o nível de tensão transborda no orgasmo.
No homem, as contrações pélvicas produzem ejaculação e na mulher o orgasmo é acompanhado da contração da pélvis e da musculatura do canal vaginal.
O orgasmo dura alguns segundos, sendo uma sensação extremamente intensa, agradável e prazerosa, logo após, há uma sensação de relaxamento físico e bem estar emocional.

Pedófilo – indivíduo que sentem atração sexual por pessoas mais jovens, especialmente por crianças.

Pênis – órgão sexual masculino, que tem o formato cilíndrico sendo constituído de dois corpos cavernosos, um corpo esponjoso e o canal da uretra. É revestido de pele e em seu ápice encontra-se a glande, continuação do corpo esponjoso, que é recoberta por uma prega denominada prepúcio. Do prepúcio até o ápice da glande, encontra-se o freio da glande e a abertura do canal da uretra.

Período refratário – período imediatamente após o orgasmo, durante o qual a resposta sexual não ocorre.

Polução noturna – é a ereção peniana acompanhada de ejaculação que ocorre durante o sono. Acontece muito na puberdade, sendo considerada normal.

Próstata – órgão de tecido muscular e glandular ligado a bexiga urinária masculina. Está localizada abaixo da bexiga e atrás do púbis.

Relação sexual – contato físico entre duas  pessoas que serve para satisfazer os impulsos sexuais, inclui as mais diversas carícias até variadas formas de penetração.

Relação sexual anal - relação sexual em que existe a penetração do pênis no ânus da parceira. Em geral, neste tipo de relacionamento sexual os parceiros utilizam algum tipo de lubrificante para facilitar a penetração, pois o ânus tem diâmetro reduzido em relação ao pênis e não produz lubrificação natural, como a vagina.

Relação sexual oral - relação sexual em que se utilizam a boca e a língua para estimular, beijando, lambendo e sugando os órgãos sexuais dos parceiros. Se for a mulher que pratica no homem, o ato é designado como felação; se for o homem que estimula os órgãos genitais femininos chama-se cunilíngua. No sexo oral simultâneo, os parceiros estimulam com a boca os órgãos sexuais um do outro ao mesmo tempo.

Relação sexual vaginal – penetração do pênis na vagina. Ocorre com freqüência entre parceiros heterossexuais.

Resposta sexual – reação a estímulos e carícias sexuais, nas mulheres as respostas iniciais correspondem à lubrificação vaginal e ereção dos mamilos e nos homens a mais óbvia é a ereção peniana.

Retrovírus – categoria a que provavelmente pertence o HIV, vírus causador da aids.
Sêmen – líquido que contém os espermatozóides e que é ejaculado pelo homem no momento do orgasmo.

Sexo – a definição de sexo (masculino ou feminino) apresenta-se vinculada às características biológicas que diferenciam homens e mulheres.

Sexologia –estudo científico da sexualidade e do comportamento sexual, incluindo relacionamentos, práticas, distúrbios, fisiologia, anatomia e educação sexual. As informações são provenientes de estudos do comportamento humano e animal, psicologia, psiquiatria, antropologia, medicina, sociologia, educação e direito.

Sexólogo – estudioso da sexologia, profissional preparado para trabalhar no campo da pesquisa, terapia ou programas educacionais da sexualidade humana.

Sexualidade – é a maneira como vivenciamos e expressamos os nossos desejos e prazeres corporais. Ela se faz presente desde que nascemos e nos acompanha por toda a vida, ela vai além dos limites da prática sexual, envolvendo não apenas os órgãos genitais e as zonas erógenas, mas também as emoções, sentimentos, desejos, significados e fantasias que se associam a sensualidade e prazer.

Terapia sexual – modalidade terapêutica direcionada para as queixas sexuais da pessoa ou do casal. Inclui avaliações orgânicas e psicológicas do casal com dificuldades sexuais.

TPM – significa tensão pré-menstrual e envolve sintomas que antecedem a menstruação: irritação, perda de ânimo e humor, redução da auto-estima, inchaço dos seios, dores nas costas, enxaquecas e cólicas. Acredita-se que esteja relacionada às mudanças psicológicas e nos níveis de hormônio ocorridas nas mulheres no período pré-menstrual.

Transexual – são indivíduos que sentem uma incongruência entre seu sexo anatômico e sua identidade sexual, desejando mudar sua anatomia externa, pois se sentem aprisionados num corpo errado. Existem atualmente diversos procedimentos desenvolvidos por equipes multidisciplinares para atender os transexuais, especialmente através de diagnósticos diferenciais, suporte endocrinológico, apoio psicológico e cirurgia da anatomia sexual externa.

Vagina – canal músculo-membranoso, elástico e revestido por uma mucosa fina. Mede cerca de 8 cm e durante a fase de excitação aumenta em comprimento e largura. Localiza-se entre a bexiga e o reto, une a vulva ao colo uterino.

Vaginismo – é uma síndrome psicofisiológica que impede severamente a penetração. Pode resultar de um grande medo de sentir dores durante a penetração.

Vasectomia – é a cirurgia que deixa o homem estéril (esterilização masculina), que consiste em cortar e amarrar cada um dos canais deferentes, ou seja, os tubos que transportam os espermatozóides.

Vulva – (do latim, cobertura) órgãos sexuais femininos externos, que compreendem as glândulas de Bartholim, hímen, glândulas uretrais, vestíbulo da vulva, bulbos vestibulares, clitóris, pequenos lábios, grandes lábios, monte de Vênus (púbis) e o períneo.